Elen Ou Hubris is a 120m2 hand-tufted carpet featuring the image of a 24 metre-tall woman standing on a pedestal and holding a weight over her head. Created by myself as a self-portrait, this monumental carpet was hung in the gate of Brussels at Arc De Triomphe in the Cinquantenaire Park, Brussels on March 8th, 2020.

I am Brazilian artist based in Brussels. My practice involves self-imposed tasks that border on the absurd. I investigate how we create narratives of the self, and I am particularly interested in how myths function in relation to a individual’s strength, ambition and resilience.

The choice of location is integral to this work. The construction of The Arc de Triomphe was part of an ambitious urban planning project carried out by King Leopold II, who wanted to adorn the city of Brussels with landmarks. The architect Charles Girault proposed the three-arched design as a symbol of an open city and as a gesture of welcome. After long negotiations between the King and the Government, the arc was inaugurated on September 27th 1905, less than nine months after the beginning of its construction.

Grand urban gestures have long been associated with the concept of hubris. Deriving from the Greek word ὕβρις, hubris refers to exaggerated pride, self-confidence or arrogance that defies the norms of behavior and, in its original context, that challenges the gods. Urban monuments often stand in public spaces as reminders of a past that is too sure of itself, and as images of a previously imagined future we may no longer want to be part of. One of the most apt examples of hubris are the deeds of Nebuchadnezzar: according to biblical allegory, in 562BC, the Babylonian king offended God and challenged the world’s order by constructing a statue of himself measuring 60 times the length of his forearm. With the same dimensions and gesture, Elen Ou Hubris seeks to re-open the discussion on monumentality, pride, self-projected images and envisaged futures. It proposes that we look at the cityscape anew and question its idols and iconography, as well as the place of women in its narratives.

Elen Ou Hubris, a self-initiated work, has been laboriously hand-tufted. It took 364 days to be completed, and a total of 2184 hours. It used 200 kilos of acrylic wool, and weights about 400kg in total.

With the support of ISELPKatia Yarns & Fabricsvan Caster, G-Pack, Labolobo , a.pass and See U.

——————–

Elen Ou Hubris é um tapete tufado de 120m2, com a imagem de uma mulher de 24 metros de altura sobre um pedestal, segurando um peso sobre a cabeça. Criado por mim como autorretrato, este tapete monumental foi pendurado no Arco do Triunfo do Parque Cinquentenário em Bruxelas, usando o suporte de uma grua de 40 toneladas.

Eu sou artista Brasileira e moro em Bruxelas. O meu trabalho envolve tarefas auto-impostas que beiram o absurdo, por exemplo, correr atrás do sol, lutar contra o vento, vencer as ondas do mar e outras mais. Eu investigo as narrativas heroicas e ficções que construímos para nós mesmos e para outros. Estou particularmente interessada em como os mitos funcionam no imaginário de narrativas de força, ambição e resiliência do sujeito.

A escolha do local é parte integrante deste trabalho. A construção do Arco do Triunfo fazia parte de um ambicioso projeto de planejamento urbano realizado pelo rei Leopoldo II, que queria adornar a cidade de Bruxelas. O arquiteto Charles Girault propôs o projeto de três arcos como um símbolo de uma cidade aberta e como um gesto de boas-vindas. Após longas negociações entre o rei e o governo, o arco foi inaugurado no dia 27 de setembro de 1905, menos de nove meses após o início de sua construção.

Grandes gestos urbanos têm sido associados ao conceito de arrogância. Derivada da palavra grega ὕβρις, hubris se refere ao orgulho exagerado, autoconfiança ou arrogância que desafia as normas de comportamento e, em seu contexto original, desafia os deuses. Os monumentos urbanos geralmente ficam nos espaços públicos como lembretes de um passado que é muito seguro de si e como imagens de um futuro previamente imaginado do qual talvez não mais desejemos fazer parte. Um dos exemplos de arrogância são os feitos de Nabucodonosor: segundo a alegoria bíblica, em 562 aC, o rei babilônico ofendeu a Deus e desafiou a ordem do mundo construindo uma estátua de si mesmo medindo 60 vezes o comprimento do antebraço. Com as mesmas dimensões e gestos, Elen Ou Hubris procura reabrir a discussão sobre monumentalidade, orgulho, imagens auto-projetadas e futuros previstos.

Elen Ou Hubris é um projeto auto-iniciado e demorou 364 dias para ser concluído e um total de 2184 horas de trabalho. Foram usados 200 quilos de lã e pesa cerca de 400 kg no total.

Elen Ou Hubris propõe que analisemos novamente a paisagem urbana e questionemos seus ídolos e iconografia, bem como o lugar das mulheres em suas narrativas.

O trabalho possui o suporte de : ISELP, Katia Yarns & Fabrics, van Caster, G-Pack, Labolobo and a.pass.